banner patos

English Version

  Search  

 Login 

  Mapa
 
  Destaques

 

 UNIVERSO DE MEMÓRIAS 

 JOÃO CARLOS ABREU 

             

 

 

  O Jornalismo Minimize

Ter pai jornalista foi decisivo para abarcar a carreira jornalística. Com apenas 17 anos, João Carlos Abreu fez a sua primeira reportagem jornalística acerca da chegada de um navio cruzeiro à Madeira. Um dos seus  trabalhos marcantes foi a tragédia do navio Lacónia cujo título era “Lacónia: Cruzeiro em Chamas”.

Na Ilha, trabalhou sempre ao serviço do "Jornal da Madeira" e quando o interrogamos acerca daquilo que mais o tinha marcado na carreira jornalística disse: “Foi o privilégio que tive em trabalhar, como correspondente do "Jornal da Madeira", no Concílio Vaticano. Foi um acontecimento único no século XX já que não se fazia um Concílio desde 1869.”

Nos anos 70, João Carlos Abreu também foi correspondente de vários jornais do continente português, como é o caso de “O Tempo”, “Jornal do Comércio”, “Jornal a Capital” e “A voz”.

Um dos momentos mais preenchidos da sua carreira foi, segundo o próprio, "o convívio com uma grande mulher: a escritora Maria Lamas".

Hoje, passados cerca de 55 anos sobre o seu primeiro trabalho jornalístico, João Carlos Abreu continua a colaborar com o "Jornal da Madeira", fazendo, pontualmente, artigos de opinião.

Get Adobe Flash player Install latest flash player if you can't see this gallery, or click here to see the html version.

Thursday, May 28, 2020